Ainda o passado patético da mídia golpista

globo_190906

(A manchete acima e as demais reproduzidas abaixo escancaram o coro  unânime dos jornalões em 2006, no desespero para impedir a reeleição de Lula – exatamente o contrário da submissão dócil aos ditadores)

Há mais reflexões a fazer sobre os quase 60 anos da Tribuna da Imprensa e o papel submisso da imprensa golpista, que se acha valente hoje na trama contra um governo democrático apoiado por 80% da população mas nos 20 anos da ditadura militar, depois do golpe de 1964 contra um presidente legítimo, aplaudiu cada um dos cinco ditadores que matavam e torturavam (além de censurar a própria mídia).

Da mesma forma como hoje chega ao cinismo de denunciar inexistentes ameaças à liberdade de imprensa, naquele passado sinistro recebia visitas diárias de censores militares à redação e jurava ao mundo, em suas primeiras páginas, haver no Brasil um regime democrático com imprensa livre. Por festejar o falso milagre brasileiro dos ditadores, como foi lembrado antes, essa mídia covarde ganhou seus atuais impérios.

Os primeiros jornais a desaparecerem depois de 1964 foram Última Hora e Correio da Manhã. Ousaram desafinar no coro da submissão aos novos donos do poder. O caso da Última Hora – a cadeia de jornais criada por Samuel Wainer – foi expressivo ter sido a única grande empresa jornalística a repudiar o golpe, já que apoiara o governo João Goulart, derrubado pelos generais.globo_300906

Da resistência à promiscuidade

O Correio, ao contrário, era duro na crítica, tendo dado um “Basta!” e gritado “Fora!” em dois editoriais históricos. Mas teve o mérito de se indignar contra os excessos e abusos do novo regime, inclusive a primeira onda de torturas. Com o dono da UH exilado em Paris – até inclinado, inicialmente, a fazer concessões para retornar – a responsabilidade da resistência ficou para o Correio.

O cronista Carlos Heitor Cony agigantou-se no desafio, apoiado pela equipe – Edmundo Moniz, Otto Maria Carpeaux, Márcio Moreira Alves, Hermano Alves, etc, Niomar Moniz Sodré à frente. Esgotada sua fase inicial, o regime reciclou-se com o Ato Institucional 2 (fim dos partidos e cassações em seguida à derrota eleitoral de 1965) e o AI-5 de 13 de dezembro de 1968, já sob o segundo ditador (Costa e Silva).

jb_3010691Por causa de sua resistência consequente, o Correio passou a viver sua agonia lenta nas mãos de empreiteiros ligados ao regime (os irmãos Alencar-Bobagem), que o arrendaram para obter favores oficiais e adoçar negociatas. Na mesma data do Ato 5, o Jornal do Brasil lançou então seu desafio histórico, a edição do dia 14, pessoalmente ordenada pela condessa Pereira Carneiro.

Com a prisão do editor Alberto Dines e do diretor José Sette Câmara, o JB recuou. O preço da libertação dos dois foi a rendição do jornal. Encerrou-se então o único desafio real do JB à ditadura. Para a Tribuna, determinada a resistir, o 13 de dezembro significou o início de 10 anos de censura – e da sucessão de prisões e confinamentos de Helio Fernandes.

Prédios novos e Brasil grande

O diretor da Tribuna fora impedido três anos antes de ser candidato ao Congresso – na mesma eleição que dera cadeiras a dois jornalistas do Correio na Câmara e a mais dois na Assembléia do Rio. E enquanto tudo isso acontecia, O Globo nada tinha a reclamar, ao contrário. O seu novo canal de televisão ia muito bem, obrigado – em intimidade promíscua com a ditadura militar.estado_200906

Foi a fase das definições, cada um vendia a alma ao diabo como podia. A Veja começava. O Globo, empurrado pelo parceiro Time-Life, engordava sua TV, porta-voz oficiosa da ditadura. A Folha de S. Paulo preparava-se para descobrir a vocação para o poder, através de um dedo-duro residente. O concorrente Estado de S. Paulo tinha sua facção no regime, apesar de prejudicado pelas ligações com Carlos Lacerda, em desgraça.

Sob censura, a Tribuna ficou isolada – sem qualquer solidariedade dos outros, expectadores omissos. Alternativos novos nasciam e morriam (Folha da Semana, Politika, Crítica, etc.), sem falar no miraculoso Pasquim, que apostou no ridículo do regime ao nascer, deu um salto para 200, 300 mil exemplares e recuou a menos da metade ao ser vítima de censura e repressão.

veja_23set06Opinião nasceu no fim de 1972, quando os jornalões festejavam em seus prédios novos a euforia do Brasil Grande do ditador Garrastazu Médici e omitiam as informações sobre torturas e abusos. Previa-se uma venda de 20 mil exemplares, mas ela cresceu imediatamente para 40 mil, tal era a fome de notícias verdadeiras da parte dos leitores e a sonegação delas pelos jornalões.epoca_290906

A intimidação pelo exemplo

Como a circulação de Opinião, mesmo sob censura (imposta a partir de seu número 8), se mantinha, o jornal viu o castigo ampliar-se com censura mais devastadora – a cargo do Centro de Informações do Exército (CIEx), em Brasília. A receita serviria ainda, depois, para outros que se atrevessem a imitar o exemplo – Ex, Extra, Movimento, Reunião, Versus, Argumento, Coojornal, Em Tempo, Cadernos de Opinião, etc.

folha_300906Os jornalões fizeram os piores papéis – deles, só Estado de S.Paulo e Veja chegaram a ter censura direta (por pouco tempo). O JB foi ao extremo de entregar à Polícia uma primeira página inteira para as “confissões” de um espião da CIA, Adauto Santos, infiltrado no PCB (até a diagramação viera pronta). E quando o ex-deputado Rubens Paiva  morreu de tortura o JB fez ao regime o favor de assumir como sua a versão oficial de que ele tinha sido baleado ao tentar fugir.

O diretor-presidente M. F. Nascimento Brito não hesitou em sair pelo mundo a negar (até como diretor da Sociedade Interamericana de Imprensa) que havia censura no Brasil. Achava que em troca teria sua rede de TV para competir com a Globo. Mas foi impossível bater a subserviência dos Marinho, cuja façanha maior fracassou em 1982 – a fraude para derrotar Leonel Brizola no Rio e “eleger” o candidato da ditadura, Moreira Franco (escândalo Pro-Consult).

Published in: on dezembro 4, 2008 at 8:03 am  Comments (2)  

The URI to TrackBack this entry is: https://argemiroferreira.wordpress.com/2008/12/04/ainda-o-passado-patetico-da-midia-golpista/trackback/

RSS feed for comments on this post.

2 ComentáriosDeixe um comentário

  1. Como é bom ter memória! Esses dois posts são, literalmente, históricos!

  2. Este blog é fundamental.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: