O Haiti antes e depois da tragédia

Certas coisas que nos atormentam tornam-se menores, até insignificantes, diante de uma tragédia como a que golpeou o povo haitiano. Acompanhamos o quadro chocante também por estarmos mais próximos desse país graças ao papel relevante do Brasil na força de paz da ONU, onde são elevadas nossas baixas – ainda que seja bem mais dramático o custo em vidas humanas dos própros haitianos.

A morte da dra. Zilda Arns emocionou o Brasil por sua história de vida e pelo trabalho humanitário ao longo de muito tempo. Nas últimas horas o secretário geral Ban Ki-Moon confirmou as mortes do tunisino Hedi Annabi (foto abaixo), Representante Especial da ONU no Haiti, e de seu adjunto e número dois à frente da missão, Luiz Carlos da Costa (foto do alto, condecorando soldados de operação de paz), um dos brasileiros mais graduados e experientes nos quadros da ONU. (Leia AQUI a declaração do secretário geral)

Os dois estavam familiarizados com as missões em pontos conturbados do mundo. Antes cabia a Da Costa (como era chamado) na sede de Nova York planejar cada uma delas conforme a situação específica do país, criando os cargos e escolhendo, dentro ou fora da ONU, pessoas capazes para ocupá-los. O desaparecimento dele no dia do terremoto já levara o secretário geral a nomear, para o lugar de Annabi, Edmond Mulet, que o antecedera.

O nível dos três no quadro é de secretário geral assistente. Curiosamente, nos últimos dias emails estavam sendo disparados por um grupo político no Brasil com ataques levianos à missão de estabilização no Haiti, Minustah – criticada como ineficaz e inoperante. Na verdade, seus prédios tinham sido destruídos no terremoto e suas autoridades maiores, Annabi e Da Costa, já estavam mortos.

Como Peter Sellers em “Being There”

Convivi alguns anos no prédio da ONU com gente dedicada que serve em tais missões. A jornalista brasileira Sonia Nolasco, esteve em Timor Leste e depois no Haiti. Já não estava lá no dia do terremoto. Em resposta a um email, explicou: “Por acaso estou aqui em Nova York, rezando por meus colegas. Nosso prédio desabou”. Antiga colega de redação no Rio, foi para os EUA em 1973, onde casou com Paulo Francis, seu namorado na juventude.

Os dois sempre moraram a uma quadra da sede da ONU, frequentado por Sonia como correspondente de jornais do Brasil. Algum tempo depois da morte do marido, ela decidiu servir em missões que exigiam sacrifício pessoal. Outro brasileiro, Manoel de Almeida e Silva, foi porta-voz muito tempo do secretário geral Kofi Annan e depois serviu mais de três anos na também caótica missão do Afeganistão.

O departamento de operações de manutenção da paz (peacekeeping) é um dos mais ativos da ONU. O jornalista James Traub, especialista em política externa que escreve para o New York Times, sabia bem como atuava com Annabi e Da Costa. Em artigo para o website Daily Beast (leia AQUI) observou: “Num filme, George Clooney poderia interpretar Sérgio Vieira de Mello. Mas não Annabi, tunisino seco, às vezes obscuro e cético mas nunca cínico. Seria um papel mais para o Peter Sellers de Being There”.

Traub uma vez ouviu o relato de Annabi (mais sobre ele AQUI) sobre encontro com delegação dos EUA após o Conselho de Segurança decidir em 2000 despachar soldados contra os assassinos psicopatas que tentavam depor o governo de Sierra Leone. “O que o senhor fará naquela confusão?”, perguntou alguém. E Annadi: “Vocês vieram me dizer como consertar aquilo com tropas que não estão me dando ou vão me ajudar a encontrar um meio de resolver a coisa? Se for o primeiro caso, a reunião será curta”.

Aquela maldição de Pat Robertson

A visita da secretária de Estado Hillary Clinton ao Haiti neste fim de semana busca dar ênfase ao empenho do presidente Barack Obama, que tem falado ao país diariamente sobre a tragédia e chamou Bill Clinton e George W. Bush para um esforço extra. Mas nos EUA é notória e chega a ser constrangedora a insensibilidade de personalidades, políticos e profissionais da mídia em relação ao Haiti. Quatro nomes destacaram-se negativamente nos últimos dias.

O primeiro foi o conspícuo tele-evangelista Pat Robertson (foto ao lado). Criador da notória Coalizão Cristã, esse reverendo fundamentalista disputou em 1988 as primárias do Partido Republicano como candidato à Casa Branca. Não emplacou. Mas como ex-dono de um canal de cabo o pastor Robertson continua influente no partido graças a seu programa de TV “Clube dos 700”, financiado por milionários republicanos.

Apesar de se julgar teólogo, filósofo e sábio, Robertson é capaz de asneiras monumentais. No último dia 13 declarou que a causa da pobreza e das tragédias do Haiti é um pacto com o diabo feito há dois séculos pelos escravos negros: em troca da vitória deles na rebelião de 1804 contra a escravidão e o controle dos colonos franceses, segundo a versão, passaram a servir ao senhor das trevas – e por isso foram amaldiçoados (saiba mais AQUI e AQUI).

Tal idiotice virou tema de debates em talk shows das redes de TV a cabo dos EUA. No passado o mesmo Robertson vendeu milhares de fitas VHS acusando o casal Clinton de homicídio, conclamou ao assassinato de Hugo Chávez, chamou o profeta Maomé de terrorista, ganhou mina de ouro do ditador liberiano Charles Taylor (hoje acusado de crimes de guerra) e disse que o 11/9 foi castigo divino por causa das feministas, dos gays e do aborto.

Os ‘iluminados’ e uma velha receita

Há mais “iluminados”, além de Robertson, determinados a sabotar na mídia a campanha em favor de doações às vítimas do Haiti. Rush Limbaugh (ao lado), extremista de direita e rei dos talk shows de rádio, conclamou as pessoas a negarem doações. “Já doamos antes. (…) Chega de jogar dinheiro fora”. E dois conservadores – Bill O’Reilly, da Fox News, e David Brooks, do New York Times – apresentaram suas próprias receitas mágicas. (E eles frequentam capas de revistas, como as reproduzidas aqui).

A receita de O’Reilly (veja-o na capa de Parade, à direita) é risível, digna do mau jornalismo do império Murdoch. Para ele, a cura dos problemas econômicos e sociais do Haiti consiste em impor disciplina aos haitianos. “Metade da população é analfabeta, o desemprego é 50%, as pessoas vivem com menos de US$2 por dia. Nenhuma caridade será suficiente e boas intenções não resolvem. O Haiti continuará caótico até se impor disciplina a eles”.

Já a receita “civilizada” de Brooks é contra a “cultura resistente ao progresso”. Ele explicou: “É hora de promover ali o ‘paternalismo dirigido’. Tentamos primeiro o combate à pobreza espalhando dinheiro, tal como fizemos em outros países. Depois, os esforços microcomunitários, como também fizemos em outras partes. Mas os programas que realmente funcionam envolvem paternalismo intrusivo”.

Ao expor esses dados o crítico de mídia Steve Rendall apelou para um grupo de direitos humanos, que ofereceu esta conclusão: “a receita do ‘paternalismo intrusivo’ para ‘consertar a cultura’ foi a política dos EUA no Haiti nos últimos 100 anos: ocupação militar brutal (1915-34); apoio à ditadura (1957-86); e, recentemente, a imposição de políticas comerciais que empobreceram ainda mais o povo. É preciso consertar não a cultura haitiana mas as políticas dos que só ajudam a si próprios. Elas é que deixaram milhares de haitianos literalmente enterrados vivos” (leia o original AQUI).

Published in: on janeiro 17, 2010 at 11:34 am  Comments (5)  

The URI to TrackBack this entry is: http://argemiroferreira.wordpress.com/2010/01/17/o-haiti-antes-e-depois-da-tragedia/trackback/

Feed RSS para comentários sobre este post.

5 ComentáriosDeixe um comentário

  1. Olá
    Sempre ouvimos falar em desastres naturais. Mas nunca paramos para pensar que o mundo pode estar apenas se defendendo.
    Sim claro é óbvio. Nosso corpo se defende de vários males, correto? O mundo está apenas se defendendo assim como sempre fez e sempre fará. Quem são os vírus na terra, quem são os vilões, são os animais ou os humanos que estão tentando matar a terra. Pensem nisso. É claro que não nos acostumamos com os resultados e muito menos com as imagens de desastres, mas lembrem que são apenas anticorpos que a terra tem para se defender. Abraços…

  2. Trombeteiros

    Gente do tipo desse pastor Pat Robertson, e dos midiáticos Rush Limbaugh, Bill O’Reilly, David Brooks, representam os capetas intermediários do modelo capitalista predatório que domina e infelicita a humanidade. Recentemente trilhões foram enviados para ajudar banqueiros especuladores que nada produzem. Trilhões são gastos em guerras para subjugar povos em diversos países e deles roubarem os recursos energéticos pela força das armas.

    A mídia mercenária gasta bilhões para bloquear, desinformar e controlar a mente das pessoas. Mistificação das massas através da propaganda globalizada. Com este sequestro fazem girar o hediondo carrossel, roda viva da desgraça humana. Desta moenda, desta engrenagem, desta roda bruta sai o produto final, no caso, o homem atual, desossado, desmiolado. Continuando assim, essa ideologia atrasada e nefasta um dia vai destruir completamente a humanidade. Portanto digo, seja civil, militar ou eclesiasta, de qualquer nível social, cargo ou função, nacional ou estrangeiro, esses capetas são os trombeteiros do apocalipse moderno.

    Francisco solano de Lima.
    João Pessoa – PB.

    • Estou de acordo com aquilo que Francisco Solano de Lima escreve. Gostaria de acrescentar, no entanto, que “essa ideologia atual, desossada, desmiolada” atinge a maioria dos norte-americanos, sejam eles políticos, jornalistas, religiosos ou banqueiros. O objetivo de toda esta gente é impor sua lei, sua vontade aos outros povos – negros ou brancos – explorar e controlar suas riquezas, invadindo respetivos países, pela força das armas, se para tal for necessário. Os discursos tonitroantes de Obama são, apenas, um disfarce daquilo que, na realidade, ele e seu governo visam: continuar a dominar o mundo, pois, para eles as populações que os habitam não passam de “imbecis” incapazes de se governar a si mesmos. Não espanta, pois, que os Estados Unidos, desde a sua independência, tenham participado ou sido os autores de mais de cem conflitos bélicos. Enquanto eles e o seu povo continuarem agindo, como até agora, o mundo jamais terá paz.

      • Dennis Stern, agradeço-lhe pelo complemento, oportuno e adequado.

        Solano.

  3. Esse sir esta muitoo fracoo


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 38 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: