Krugman e o Ano Novo chinês

Como observei no Blog do Nassif (leia AQUI), justificaria um debate a lógica exposta pelo economista Paul Krugman (foto), em sua coluna do New York Times, sobre a política monetária da China, que chama de “mercantilista”. Ele argumenta que a China tornou-se uma grande potência financeira e comercial mas não age como outras grandes economias. E, ao invés disso, segue a política mercantilista que mantém artificialmente alto o seu superávit comercial (íntegra AQUI, no original inglês).

Para Krugman, no mundo de hoje, em depressão, tal política é predatória – para usar uma palavra dura. Explica como isso funciona: diferente do dólar, do ouro ou do yen, cujos valores flutuam livremente, a moeda da China está atrelada à política oficial de 6,8 yuan por dólar. A essa taxa de câmbio, o que exporta tem grande vantagem de custo sobre os produtos rivais, criando enormes superávits comerciais.

Em circunstâncias normais, o influxo dos dólares gerados pelos excedentes elevaria o valor da moeda chinesa, a menos que fosse compensado pelos investidores privados na direção oposta. E os investidores privados estão tentando entrar na China e não sair de lá. Mas o governo chinês restringe os influxos de capital, até ao comprar dólares e mantê-los no exterior, ampliando seus fundos superiores a US$ 2 trilhões em reservas estrangeiras. Sustenta Krugman que essa política é boa para o complexo industrial do estado chinês orientado para as exportações. Mas que não é boa para os consumidores chineses. E quanto ao resto de nós? – pergunta.

Uma resposta a Wen Jiabao

“No passado – escreve ainda – podia-se dizer que a acumulação pela China de reservas externas, muitas delas investidas em bônus dos EUA, nos fariam um favor, pois mantinham baixas as taxas de juros, embora o que fizemos com aquelas taxas de juros baixas foi principalmente inflar uma bolha imobiliária. Mas neste momento o mundo está inundado de dinheiro barato procurando um lugar para ir. As taxas de juros de curto prazo estão perto de zero; as taxas de juros a longo prazo são mais altas mas apenas porque os investidores esperam que um dia acabe a política de taxa zero. As compras de bônus pela China fazem pouca ou nenhuma diferença”.

Enquanto isso, argumenta Krugman, os superávits comerciais drenam a demanda, muito necessitada, de uma economia mundial deprimida: “Minhas contas sugerem que o mercantilismo chinês pode terminar reduzindo em cerca de 1,4 milhões os empregos nos EUA. Os chineses negam-se a reconhecer o problema. O primeiro-ministro Wen Jiabao descartou recentemente as queixas estrangeiras. Alegou que ‘por um lado vocês pedem que o yuan seja valorizado e por outro estão adotando todo tipo de medidas protecionistas’”.

O próprio Krugman respondeu: “De fato. Outros países estão adotando medidas protecionistas (modestas) precisamente porque a China se nega a deixar sua moeda subir. E muitas de tais medidas são apropriadas. Mas serão mesmo? Em geral ouço duas razões para se evitar o confronto com a China por causa de suas políticas. Nenhuma das duas se sustenta.

Primeiro, há a alegação de que não podemos confrontar os chineses porque eles tumultuariam a economia dos EUA desfazendo-se de suas reservas de dólares. É um raciocínio equivocado e não só porque se o fizessem infligiriam grandes perdas para eles próprios. O ponto maior é que as mesmas forças que tornam o mercantilismo chinês tão danoso neste momento também significam que a China tem pouca ou nenhuma alavancagem financeira.

Neste momento, repito, o mundo está repleto de dinheiro barato. Logo, se a China resolvesse começar a vender dólares, não há razão para pensar que isso iria elevar significativamente as taxas de juros. Provavelmente enfraqueceria o dólar frente a outras moedas – mas isso seria bom, e não ruim, para a competitividade americana e o emprego nos EUA. Assim, devíamos na verdade agradecer se os chineses se desfizessem dos dólares.

Segundo, há a alegação de que o protecionismo é sempre uma coisa ruim, em quaisquer circunstâncias. Se é o que você acha, no entanto, então você aprendeu os princípios básicos de economia com as pessoas erradas. Pois quando o desemprego está alto, e o governo não consegue restaurar o pleno emprego, não se aplicam as regras normais”.

A advertência de Paul Samuelson

Krugman prossegue: “Cito aqui um trabalho clássico do falecido Paul Samuelson (foto à esquerda), que de certa forma criou a economia moderna: ‘Com emprego abaixo do pleno (…) todos os argumentos mercantilísticos desacreditados’ – isto é, alegações de que as nações que subsidiam suas exportações na prática roubam empregos de outros países – ‘tornam-se válidos’. Ele argumentou em seguida que as taxas de câmbio persistentemente desalinhadas criam ‘problemas genuínos para os defensores do livre comércio’. A melhor resposta para tais problemas é a volta das taxas de câmbio ao ponto em que deviam estar – exatamente o que a China impede que aconteça”.

O resultado final, para Krugman, é que o mercantilismo chinês é um problema crescente, e as vítimas desse mercantilismo têm pouco a perder num confronto comercial. E conclui: “Assim, eu conclamaria o governo da China a reconsiderar sua teimosia. Do contrário, o próprio protecionismo brando de que se queixa atualmente será o início de algo muito maior”.

(Abaixo, um cartum a que recorreu Krugman em seu blog no passado para expor o efeito manada nas Bolsas)

Anúncios
Published in: on janeiro 2, 2010 at 10:12 am  Comments (5)