Alzheimer ainda esconde os crimes de Reagan

Reagan_Flynn

Há cinco anos acompanhei por dever de ofício (em meio à campanha presidencial que reelegeria George W. Bush) as homenagens a Ronald Reagan, que morrera depois daquilo que ele próprio, já paciente de Alzheimer, chamara de seu “longo adeus”. Foram sete dias de eventos solenes, menos relevantes pelo que se disse do personagem do que pelo que revelaram sobre os EUA e sua sociedade.SantaFeTrail

Na foto do alto, Reagan aparece – no papel de um ainda jovem George Armstrong Custer, o general celebrizado como matador de índios na ânsia de chegar à Casa Branca – no filme Santa Fe Trail, de 1940, ao lado do galã Errol Flynn como Jeb Stuart, companheiro de Custer em West Point e rival do amigo na disputa pelo coração de Olivia de Havilland (veja-os ao lado, na capa do DVD). Os dois são mandados ao território do Kansas para derrotar o abolicionista John Brown, retratado como vilão sedento de sangue (saiba mais sobre o filme AQUI).

No crepúsculo da vida, ao longo de sua última década, Reagan perdera gradativamente a memória e até a consciência da própria identidade – numa redoma, imune a críticas. Bem antes disso já havia suspeita de que confundia a realidade com seus filmes e a ficção de Hollywood.custer Os excessos derramados na semana de despedida me levaram na ocasião a recordá-lo não como a figura heróica e íntegra, mas como o Reagan real, diferente daquilo que ele próprio achava e, claro, do que seus adeptos ideológicos diziam dele.

Agora, como naqueles dias, talvez só concordemos todos num ponto: de fato, ele era um bom comunicador. Admito que estava certo ao dar esta resposta aos que uma vez acharam absurda a pretensão de um ator de tornar-se presidente: “Absurdo é alguém ser presidente sem ser ator”. Ironicamente, Reagan chegou à Casa Branca sem ter de matar índios: bastou-lhe viver na tela o papel de quem o fazia na esperança de chegar lá (o verdadeiro Custer é o da foto acima, à direita – saiba mais sobre ele AQUI).

Aquele galãzinho de segunda?

Ao contrário do que disseram dele há cinco anos e vão dizer de novo sexta-feira, data do aniversário da morte, não foi herói. Nem íntegro. Foi ator e sempre teve um script. Em Hollywood era galã do segundo time – abaixo de Errol Flynn, mocinho de Santa Fe Trail, que no final fica com Olivia de Havilland; ou de Robert Cummings, galã de Kings Row. Foi coadjuvante nesses dois filmes, como ainda no marcante Knute Rockne, All American.

Esses foram três filmes importantes na carreira dele. Num era o Custer jovem, antes da guerra civil e das matanças de índios. No segundo tinha a perna amputada por um médico sádico; e ao acordar da anestesia, fazia a pergunta que se tornaria o título de sua autobiografia: “Onde está o resto de mim?”Killers No terceiro, como o astro de futebol americano George Gipp (The Gipper), da equipe de Notre Dame, disse na cama, segundos antes da morte, a frase repetida à exaustão, anos depois, nas campanhas dele: “Ganhe uma para o Gipper”.

Num dos discursos eleitorais das homenagens de 2004, George W. Bush o elogiou por só interpretar good guys, bons sujeitos. Com isso Bush arriscou-se a perder os votos de atores de talento mais versátil, que também adoram viver bad boys na tela. Reagan de fato preferia ser bonzinho e galã, mas em seu último papel no cinema – The Killers, de 1964 (veja o cartaz à direita, onde o nome dele aparece atrás de três outros), foi bandido e mau caráter. Segundo Kirk Douglas contou em sua autobiografia The Ragman’s Son, Reagan nunca se conformou em ter de esbofetear Angie Dickinson numa cena. Mas depois desse filme, estava pronto para a carreira política.

O caráter e o desmemoriado

No dia-a-dia Reagan podia ser alegre e bem humorado. Uma ex-funcionária da Casa Branca contou na ocasião que sempre se sabia quando ele chegava – pelas risadas das pessoas nos corredores por onde caminhavaReagan_MCA. Mas é dificil acreditar na sacrossanta integridade dele, de que fala com ênfase sua ex-redatora de discursos Peggy Noolan no livro When Character Was King.

Em Caça às Bruxas – macartismo, uma tragédia americana, tentei resumir a história contada por Dan E. Moldea no livro Dark Victory – Ronald Reagan, MCA and the Mob (capa ao lado). Usando seu cargo de presidente do Screen Actors Guild, o sindicato dos atores de cinema, ele abriu uma exceção para permitir à MCA, então apenas agência de artistas, entrar no negócio da produção de filmes, claro conflito de interesses. Tal negociata marca o início da fortuna de Reagan, pois graças ao privilégio a firma acabaria tornando-se dona da Universal e um dos quatro grandes impérios de Holywood (saiba mais AQUI).

Chegaram a ficar depois sob controle da MCA (que ao nascer era ligada à Máfia) 60% de toda a indústria de entretenimento. O escândalo do favorzinho especial de Reagan, traindo a confiança dos filiados do sindicato, foi largamente recompensado nos anos seguintes. As relações promíscuas de Reagan com a MCA chegaram a ser investigadas depois, mas já então era muito tarde. E no Grande Júri que conduziu o inquérito ele se safou jurando que já não se lembrava de nada.

Foi também a falta de memória que o salvou na investigação do escândalo Irã-Contras. Ao depor, depois de deixar a presidência, a resposta de Reagan a quase 200 perguntas foi simplesmente a mesma: “Não me lembro”.FireWall_ Em Firewall, seu livro sobre a investigação do caso (capa ao lado), o promotor especial Lawrence Walsh disse que acreditou nele, pois Reagan de fato parecia esforçava-se para lembrar. Mas era impossível pois já estava com Alzheimer (saiba mais AQUI sobre o escândalo).

O dedo-duro T-10 no FBI

Também Colin Powell, que tinha trabalhado no Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca e há cinco anos ainda era secretário de Estado, sugeriu que Reagan já tinha a doença. “Começava a contar suas famosas histórias, que todos conhecíamos bem. De repente, não se lembrava do final. A gente ajudava e dava os detalhes que ele tinha esquecido”, disse Powell. Esse o presidente celebrado durante sete dias em 2004.

Santa_Fe_Trail_000960Mas outras coisas Reagan pode ter tentado convenientemente esquecer durante quatro décadas. Por exemplo, o detalhe de ter sido “dedo duro” do FBI, sob o codinome T-10 (Olivia de Havilland, a amiga que aparece ao lado com ele num fotograma de Santa Fe Trail, fazia a mesma coisa: era a T-9). Entregava nomes de atores que suspeitava de esquerdismo, numa época em que os delatados perdiam o emprego. Em certos casos isso podia gerar tragédias familiares e até suicídios. Só em 1988, numa entrevista à BBC, Reagan finalmente reconheceu ter tido esse papel indecente.

Como escondeu o fato durante tanto tempo (mais de 40 anos), supõe-se que não se orgulhava do que fez, ao Reagan_Cowboy_From_Brooklyn_trailerdelatar colegas de profissão. Mas se afinal admitiu a verdade também pode ter sido simplesmente porque já tinham sido revelados alguns documentos secretos do FBI, em processos com base na Lei de Liberdade de Informação, sugerindo que de fato ele fora alcaguete. Esse era o verdadeiro Reagan. (À direita, o ator em Cowboy from the Brooklyn)

Nas homenagens de cinco anos atrás, outros fatos esquecidos foram o apoio dele a ditaduras militares da América Latina, os banhos de sangue na América Central e a omissão ante o apartheid sul-africano. Faltou lembrar ainda o envio de fuzileiros em 1983 ao Líbano (241 foram mortos em atentado), a invasão dois dias depois da minúscula ilha de Granada (100 mil habitantes) no Caribe pela máquina de guerra do Pentágono, o ataque aéreo que matou a filha de 5 anos de Kadafi na Líbia, etc.

(clique abaixo para ouví-lo pedir, na cena dramática da sua morte no filme Knute Rockne, “mais uma vitória para o Gipper” – e depois, clicando em outras imagens, uma seleção de discursos e outros momentos de Reagan)
Published in: on junho 4, 2009 at 12:22 am  Comments (5)  

The URI to TrackBack this entry is: https://argemiroferreira.wordpress.com/2009/06/04/alzheimer-ainda-esconde-os-crimes-de-reagan/trackback/

RSS feed for comments on this post.

5 ComentáriosDeixe um comentário

  1. Repugnante e asqueroso uma pessoa com essa biografia. Merecia o esquecimento se não servisse para as gerações futuras de exemplo a não ser seguido.

  2. Caro Argemiro, infelizmente só descobri a existencia de seu blog hoje. Saiba que ganhou um leitor constante de seus posts. Até mais, e até convido para visitar meu blog. Um forte abraço e bom trabalho.

  3. Primeira vez que aqui comento, mas entro em seu blog diariamente. Parabéns por seus ótimos textos e pela escolha mais que acertada dos temas, transmitindo-nos cultura e informação com sua assinatura carregada de credibilidade.

  4. Há ainda o episódio do uso de um avião comercial, da Korean AirLines, para fazer espionagem em território soviético. O episódio obrigou os soviéticos a abaterem a aeronave, com quase 300 pessoas a bordo. Quem acha que Bush foi nefasto para a humanidade não conheceu Ronald Reagan …

  5. OI ARGEMIRO
    meu nome é Jéssica Costa sou de salvador-BA tenho 18 e fiquei encantada e ao mesmo tempo perplexa com seu post.
    vou fazer um seminário dia 27/10/10 e o meu tema conhecidentemente é Reagan e seu artigo será muito útil a minha apresentação, era algo que ainda não sabia e que insfelizmente não é publicado em sites mais tradicionais.
    Muito boa a matéria por isso fiz questão de agradecer!
    Parabéns!
    Abraços!!!


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: