A volta da “Tribuna” de Helio Fernandes

fernandes_helioAos que têm reclamado – pessoalmente, por emails e em comentários ao blog – contra a ausência da Tribuna da Imprensa, cujo website desapareceu, creio que a 31 de março, mais de três meses depois da suspensão da edição impressa, aqui vai a esperada notícia. A Tribuna online está de volta desde ontem, respondendo no mesmo endereço eletrônico antigo (AQUI), como também num endereço novo (AQUI). Depois de clicar, basta incluir nos favoritos de seu navegador. Para tanto só me resta repetir, agora também por extenso: heliofernandes.blogspot.com  ou   www.tribunadaimprensa.com.br

Infelizmente, essa volta ainda é uma operação mais ou menos improvisada, de emergência, limitada a um artigo maior de Helio Fernandes e à sua coluna, atualizada várias vezes por dia (foram incluídos ainda links para este blog e o de Sebastião Nery, aparente homenagem dele a dois dos mais antigos colunistas do jornal). Mas ontem ouvi de Helio que a versão online completa da Tribuna, como era antes, com as notícias, as colunas, as cartas dos leitores e as respostas dele, pode ser o passo seguinte. Não está descartado o retorno da edição impressa, tão logo seja recebida a indenização já decidida pelo Supremo Tribunal Federal.

Seria então a vitória completa para o jornal que foi um alvo conspícuo da ditadura ao tempo em que a imprensa golpista dos jornalões, premiados na época com prédios suntuosos  (em troca da submissão aos donos do poder, claro), hoje prefere chamar de “ditabranda” (saiba mais AQUI, AQUI e AQUI, posts anteriores que escrevi neste blog sobre o assunto). Por enquanto  a única explicação para o repentino desaparecimento da versão online é um mal-entendido da parte do hospedeiro do site. Agora há um novo hospedeiro.

Presença também no Jornal da ABI

JornalABI_fevereiro2009

Com 88 anos de idade, Helio Fernandes não parece ter descansado nesse período de ausência da Tribuna nas bancas e na Internet. Pelo menos é essa a minha conclusão, pois mais de duas páginas do Jornal da ABI que recebi ontem são ocupadas por uma longa reportagem histórica dele, “Os bastidores, antes e depois, da famosa entrevista de José Américo a Lacerda”. E tão surpreendente como esse texto, a propósito de outro saído antes sobre o episódio, é esta afirmação de Helio: “Há muito a contar e por coincidência eu estava no lugar certo e na hora certa; conheço episódios até hoje não contados”.

Chamo de reportagem porque o autor sempre se considerou um repórter. Uma das expressões mais repetidas no seu jornalismo é a referência a si mesmo como “este repórter”. Mas originalmente o texto de agora era, na verdade, um longo email enviado ao presidente da ABI. Maurício Azedo, também um repórter com muita estrada, identificou prontamente a reportagem, limitando-se a explicar aos leitores que mantinha o tom coloquial, até mesmo a despedida “com o abraço”, no final, seguida de um PS.

jaguar_sigOs leitores que decidirem procurar o Jornal da ABI (é a edição de março de 2009) vão encontrar ainda muito mais coisas, inclusive um destaque especial para os melhores tempos do Pasquim. Primeiro com uma entrevista de Jaguar exatamente naquele padrão que consagrou o jornal – até porque conduzida por Rick Goodwin, que era quase criança quando começou a gravar e, de certa forma, organizar, as entrevistas caóticas do passado, regadas a uísque. E, depois, por uma “lembrança” de HenfilHenfil_Grauna, com depoimento do filho Ivan Consenza de Souza, alguns de seus melhores cartuns e uma excelente foto na capa, com o título “Henfil para sempre”. Para o acesso à edição em PDF, clique AQUI.

Published in: on maio 14, 2009 at 12:41 pm  Comments (4)  

Wall Street e os porcos do México

Swine_Flu_Edgar-Hernandez

Na linguagem médica, Edgar Hernández Hernández, o garoto mexicano da foto acima, de apenas quatro anos, é o paciente zero da gripe suína – o primeiro a contrair a doença. Como já foi dito, provavelmente seu organismo tenha servido de plataforma para a combinação genética que tornaria o vírus mais poderoso. Mas ele conseguiu sobreviver, depois de medicado. A gripe tinha sido constatada na cidade de La Glória em dezembro de 2008. Em março passou a disseminar-se rapidamente.

Volto à doença hoje para falar do que li no website Global Research (conheça-o AQUI), do Centro para Pesquisas sobre a Globalização (CRG). Esta é uma organização independente, sem fins lucrativos, que reúne escritores, acadêmicos, jornalistas e ativistas. Registrada na província canadense de Quebec, também publica livros, apóia projetos humanitários e realiza atividades na área educacional.

Além disso e de ter o seu site, o CRG atua ainda como think tank, instituto de reflexão, sobre temas econômicos e geopolíticos. No final do mês passado o Global Research publicou sugestiva comparação a propósito da gripe suína, algo que não cheguei a fazer ao abordar o assunto antes.SwineFlu_pigs “As fazendas industriais de porcos são exatamente como a Wall Street”, dizia o título insólito.

Os agronegociantes e os banqueiros 

Embora o site do Global Research tenha versão em português, o artigo a que me refiro não foi traduzido – o que me leva a fazê-lo para o leitor. (A íntegra do original em inglês pode ser lida AQUI). Segue-se a tradução:

Uma teoria sobre a gripe suína que está ganhando força rapidamente é que ela se espalhou através de moscas que se concentram sobre as lagoas fecais nas fazendas industriais de porcos da Granjas Carroll no estado mexicano de Vera Cruz (saiba mais AQUI). A Carroll é propriedade, em parte, da Smithfield Foods – a maior companhia de porcos do mundo, que cria 950 mil por ano naquelas instalações (do México).

Em fazendas de porcos naquela escala industrial, os animais ficam amontoados em espaços tão pequenos, tão apertados, que mal conseguem se movimentar. Existem tantos que eles produzem muitas toneladas de excrementos, que são simplesmente lançados em gigantescas lagoas a céu aberto. É a Wall Street das fazendas de porcos. Tanto em Wall Street como naquelas fazendas de produção de carne, os porcos alimentam-se em instalações públicas.

E mais. Nas fazendas de porcos, como em Wall Street:

  1. Um par de companhias gigantes dominaram a paisagem;
  2.  Agências reguladoras permitiram que elas ficassem ali fora de controle, fazendo o que bem entendem;
  3.  As companhias fizeram sua lambança sabendo que os governos viriam para juntar os cacos e consertar as coisas, caso isso se tornasse necessário;
  4. Os lucros foram privatizados e as perdas socializadas.

No caso dos porcos, os lucros das megafazendas foram embolsados pelas companhias, mas a conta dos custos da epidemia de gripe suína vai para os contribuintes. As fazendas de porcos jogaram quantidades colossais de excrementos naquelas comunidades locais – o que não só espalhou doenças na área como causou um problema global de saúde. Da mesma forma, gigantes de Wall Street produziram sistematicamente trilhões de dólares em “ativos tóxicos” que as nações do mundo inteiro, como seus contribuintes, pedem agora que sejam “desintoxicados”.

Ou, como escreveu um blog: Os agronegócios têm de ser responsabilizados. Eles estão seguindo as mesmas regras adotadas para os banqueiros; embolsam lucros e jogam as perdas (na forma da doença da vaca louca ou, agora, da gripe suína) em cima do público. Afinal de contas, não é tão alto o preço. Só uns poucos milhões de mortos e o abandono da produção local em pequenas fazendas.

GlobalResearch_x

Até aí, a tradução (acima, o banner do Global Research). Você pode saber mais sobre o menino Edgar e a gripe suína na ampla reportagem publicada pelo Guardian de Londres dia 27 de abril (leia AQUI). Ela foi citada no Global Research, cujo texto (o reproduzido acima) tinha saido originalmente, conforme revelava outra informação, com a assinatura (um pseudônimo) “George Washington”, no progressista e liberal OpEdNews, OEN (leia AQUI).

…E uma receita para saquear o Tesouro

A comparação com Wall Street e seus banqueiros também foi feita por outros – como David Sirota, do Blog for Our Future, no dia 8 de maio. Ele foi ainda mais agressivo, inclusive no título: “Capitalismo emporcalhado: A conexão entre a epidemia de gripe suína e a desintegração de Wall Street” (leia AQUI). Quanto ao Global Research, também deu a entender que teve como base um artigo assinado na seção de Economia do New York Times, a 11 de março deste ano, por David Leonhardt, sob um título que eu traduziria como “O assalto aos cofres do Tesouro na América” (leia o texto em inglês AQUI).

Leonhardt inspirou-se em outro texto, publicado 16 anos antes por George Akerlof (que depois ganharia o prêmio Nobel) e Paul Romer, um renomado especialista em crescimento econômico. É imperdível. Eles diziam que a causa de várias crises financeiras da década de 1980 fora o fato de investidores privados terem saqueado o governo. Tomaram emprestado somas enormes e embolsaram lucros gigantescos enquanto a situação era boa. Depois transferiram a perda final, previsível, para o governo.

Times condenava enfaticamente a conduta agora de Ben Bernanke e do Fed, o banco central americano. Leonhardt observou que Akerlof e Romer tinham concluído o paper deles no início da década de 1990, ainda na ressaca dos excessos dos anos 1980. “Mas o sr. Akerlof disse ao sr. Romer – um cético sr. Romer, como ele reconheceu rindo há poucos dias – que o próximo candidato a saquear o Tesouro já parecia ter tomado forma. Era um obscuro mercadozinho chamado derivativos de crédito”.

Published in: on maio 14, 2009 at 1:21 am  Comments (1)