Vitória do humor vira piada em eleição dos EUA

franken_al_0904131

Primeiro foi a Flórida. Agora é a vez de Minnesota fazer a eleição nos EUA virar motivo de chacota. E não porque o democrata Al Franken (foto acima), que acaba de ser declarado de novo – agora por um painel de três juízes – o vencedor da cadeira para o Senado, é um comediante da TV. Mas por causa da obsessão do republicano Norm Coleman, com amplo apoio de seu partido, de recorrer ao tapetão dos tribunais para rejeitar o resultado adverso (saiba mais AQUI).

Coleman (foto abaixo, à esquerda, ao lado de seu ídolo Bush), ex-prefeito de St. Paul, cargo para o qual fora eleito da primeira vez como democrata e progressista (bandeou-se depois para a direita mais extremista dos republicanos), coleman_normcumpriu um mandato no Senado (de 2003 a 2009) como beneficiário da morte em acidente aéreo (durante a campanha) do senador democrata Paul Wellstone, alvo da difamação adversária. Agora a lambança foi ainda maior.

Na medida em que as pesquisas, durante a campanha, expunham sua sistemática queda na preferência do eleitorado e a ascensão de Franken, Coleman veiculava mais comerciais sórdidos, de baixo nível, preparados pelo estrategista de Bush, Karl Rove (veja um deles ao fim deste post). Nos ataques Franken era acusado de planejar o “assassinato de empregos” no estado – e ainda de atrasar o pagamento da pensão da ex-mulher.

A Fox News e os talk shows em cena

A direção republicana, consciente da ameaça de perda de cadeiras no Senado, injetou milhões em Minnesota para salvar ao menos a reeleição de Coleman. E quando veio um resultado duvidoso a 5 de novembro,  o republicano tinha vantagem de 215 votos (num eleitorado de 3 milhões) e “festejou” às pressas, mesmo sabendo que em casos assim tinha de esperar a recontagem automática.

Ao mesmo tempo, entrou em cena o exército da extrema direita republicana na mídia nacional. Nos papéis centrais, o rei do talk show de rádio Rush Limbaugh, franken_book2alvo da sátira devastadora de Franken num livro (capa ao lado); e o campeão de audiência no horário nobre da Fox News, Bill O’Reilly, atingido pelo humor corrosivo de Franken em outro livro. Segundo eles, o comediante estava “roubando votos”.

Mas know how de roubo de votos quem tem são os republicanos – em especial votos fraudados de eleitores ausentes, uma das técnicas usadas pelo partido para inverter o resultado da eleição de 2000 na Flórida, que deu a Casa Branca a Bush. Eles insistem na repetição obsessiva do expediente, mas todas as recontagens mostraram o contrário: a vitória fora de Al Franken, com vantagem ligeiramente maior: 312 votos.

Aparentemente Coleman já percebia que era impossível mudar o resultado final, pois até arranjou outro emprego – o de conselheiro, regiamente remunerado, da Republican Jewish Coalition (Coalizão Judaica Republicana), parte do milionário lobby israelense nos EUA. Mas a ordem do partido foi retardar ao máximo a declaração do resultado, privando os democratas de uma cadeira (leia AQUI o apelo de Franken ao adversário para sustar os recursos inúteis e conformar-se com o resultado).

A vingança da direita republicana

A comissão apuradora deu a vitória a Franken a 5 de janeiro, ratificada depois no tribunal. E agora veio a confirmação de um painel de três juízes. Mas Coleman contesta de novo. Como em 2000, houve milhares de votos irregulares de supostos eleitores ausentes (sem os requisitos legais, como carimbo de Correio e testemunhas). Democratas monitoraram tudo, já que tinha sido assim o roubo da Flórida para Bush.

A alegação republicana de que 4400 deixaram de ser contados foi rejeitada pelo painel de três juízes. Eles declararam unanimemente que a apuração foi “honesta, precisa e imparcial”. Os juízes rejeitaram duas tentativas de Coleman de subtrair votos de Franken a pretexto de terem sido contados a mais.frankenlincoln1 “Não acho que ataques a tribunais e ao processo eleitoral seja argumento válido”, disse Franken (no colo de Lincoln na foto ao lado).

Uma decisão do mais alto tribunal do estado só ocorreria no final de maio – ou depois. E se houver recurso à Suprema Corte federal, não se sabe quando a decisão virá. Enquanto isso, Minnesota já está há quatro meses sem uma das duas cadeiras que tem no Senado. Coleman parece menos confiante nos próprios advogados, dada a impossibilidade jurídica, do que no barulho dos destemperados talk shows.

O rei do talk show de rádio, hoje encarado por alguns como o real líder republicano, não perdoa o best seller que Franken dedicou a ele em 1996: Rush Limbaugh is Big Fat Idiot / Limbaugh é um Gordão Idiota (veja a capa no alto, à direita). Cinco anos depois, Franken enfeitou a capa de outro livro com O’Reilly, Ann Coulter, Bush, Cheney e a rede Fox. Título: Lies – And the Lying Liars Who Tell Them / Mentiras – e os mentirosos que as dizem (capa abaixo, à esquerda).

A “conduta imprópria” do partido

franken_book1Ultrajantemente engraçado, Franken foi popularizado no passado pelo “Saturday Night Live” da NBC. Ao contrário de outros comediantes, investiu cada vez mais na política e numa sátira devastadora de políticos e pregadores hipócritas e corruptos, especialmente personalidades da direita religiosa – como os tele-evangelistas Pat Robertson e Jerry Falwell, então donos de programas de TV.

A rede Fox News, ofendida pela maneira corrosiva como era tratada por Franken no livro Lies, cuja capa ridicularizava o slogan tão repetido por ela como marca do jornalismo duvidoso que pratica (fair and balanced: honesto e equilibrado), lançou oneroso processo judicial contra o comediante, acusando-o de uso indevido da marca. O o desfecho foi uma derrota embaraçosa para o império Murdoch.

Agora o Partido Republicano insiste em gastar dinheiro na esperança de que os democratas fiquem o maior tempo possível sem aquela cadeira no Senado. Até um importante senador republicano – Orrin Hatch, vice-presidente do Comitê Senatorial Nacional do partido – discordou dessa linha. Declarou que “esse tipo de conduta imprópria não devia ser adotada pelo partido”. Mas Coleman pode estar contando com outra coisa na Suprema Corte estadual: o voto do juiz Christopher Dietzen, que no passado deu dinheiro para duas campanhas dele (leia AQUI). 

No seu tempo de senador, Coleman estava sempre na tela Fox News. Adotava as causas da mídia de Murdoch, como a campanha em tom macarthista que culpava Kofi Annan, secretário geral da ONU, pelas irregularidades do programa Petróleo por Comida. Mas uma investigação presidida por Paul Volcker, ex-presidentre do Fed (banco central dos EUA), isentou Annan de qualquer responsabilidade nas irregularidades.

(Clique abaixo para ver um dos comerciais de ataque de Norm Coleman contra Al Franken durante a campanha)
Published in: on abril 14, 2009 at 1:46 pm  Deixe um comentário  

The URI to TrackBack this entry is: https://argemiroferreira.wordpress.com/2009/04/14/vitoria-do-humor-vira-piada-em-eleicao-dos-eua/trackback/

RSS feed for comments on this post.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: