Da vitória histórica ao desafio da mudança

obama_wins

Uma etapa está vencida. Barack Obama derrotou o republicano John McCain por maioria esmagadora no Colégio Eleitoral e vantagem também expressiva, na votação popular, de 7 milhões de votos. Sem falar no índice de comparecimento às urnas, o mais elevado em quase um século. Tudo isso depois do que pode ter sido a mais longa companha presidencial da história. Como Obama está eleito, o país já é outro. E o 44º presidente será diferente.

Pela primeira vez desde que as colônias se uniram para declarar a independência, há 232 anos, um negro chega à Casa Branca. Nada menos de 52% dos eleitores, mais de 62,4 milhões, quiseram assim. Foram convencidos pelo seu perfil, pela sua trajetória humana e política singular, pela sua eloquência, pelo seu carisma. Ele teve de superar eventuais imperfeições e também acusações duras, às vezes torpes e de má fé, algumas claramente motivadas pelo racismo.

Mas a votação de Obama no eleitorado branco, embora bem inferior à do adversário republicano, foi significativa para um candidato democrata. Na verdade, superior à de todos os democratas que se candidataram à Casa Branca nos últimos 32 anos, desde o sulista Jimmy Carter (1976), inclusive Bill Clinton, eleito duas vezes. O feito de Obama tem um significado especial e é motivo de orgulho para os negros do país, ou africano-americanos, como destacou o próprio senador McCain ao reconhecer a derrota.

Como desfazer o legado de Bush 

guardian_bush1

Naquele parque de sua Chicago, ao falar à multidão entusiasmada, 150 mil a 200 mil pessoas, Obama deixou claro que tem um caminho longo e difícil a percorrer. “Mesmo agora, enquanto comemoramos, temos consciência de que os desafios a enfrentar são os maiores de nosso tempo – duas guerras, um planeta ameaçado e a pior crise financeira em um século”. Foi enfático ainda ao dizer que não recebe o mandato de um partido ou uma ideologia. Recebe a missão de mudar o país.

O cartunista do jornal britânico The Guardian (veja acima) sintetizou a missão de Obama ao desenhar a máquina de destruir papéis, com as listas e estrelas da bandeira, a devorar e desfazer a imagem de George W. Bush e seu legado desastroso da crise econômica, das guerras e do ressentimento antiamericano no mundo. Se é essa sua missão, o presidente eleito tem serenidade e elegância suficientes para cumprí-la, mesmo diante das provocações e acusações sórdidas de adversários.

murdoch_2007Há muito a fazer. É revelador, no entanto, que ante a aproximação do desfecho da campanha de 2008, passou a prevalecer um eforço insólito na Fox News do magnata Rupert Murdoch (foto) – reduto do jornalismo mais tendencioso dos EUA, no qual pontificam estrelas do neoconservadorismo bushista. Neocons notórios como Bill Kristol e Fred Barnes (que criaram para Murdoch a revista ideológica Weekly Standard), Charles Krauthammer e outros menos intelectuais advertem Obama ali contra “ir para a esquerda”.

Os neocons de novo no palco

É a mesma gente que, no passado recente, teve sucesso em empurrar o governo Clinton para a direita, até forjando no Congresso a lei do regime chance (mudança de regime) para o Iraque. A guerra contra o Iraque, para tomar o controle de petróleo, foi criada no Projeto do Novo Século Americano (PNAC) de Kristol, com a ajuda de Krauthammer, Barnes, Paul Wolfowitz e o resto dos guerreiros neocons. Clinton, em minoria no Congresso, acabou por assinar a lei.

Perdida a eleição de 2008, os neocons ainda acham que serão capazes de impor ao futuro governo, as mesmas posições extremistas e belicistas, que Clinton absorveu em parte porque os republicanos tomaram a Câmara e o Senado em 1994. O que a facção neoconservadora da mídia tenta agora é prolongar a aventura bushista dos últimos oito anos, mesmo depois da derrota eleitoral. E adverte Obama e sua equipe para fugir da esquerda porque “o país é conservador e centrista”.

Para os neocons, esquerda é quem defende qualquer regulamentação contra a livre roubalheira dos executivos larápios de Wall Street – aqueles das fraudes da Enron, WorldCom, Arthur Andersen, dos bancos de investimento que roubam clientes e acionistas. Em colapsos sucessivos desde 2001, eles levaram à lambança geral e ao tsunami financeiro. O próprio presidente da Bolsa de Valores de Nova York, Dick Grasso, foi um dos executivos conspícuos pilhados.

Punir lambões e fraudadores, para os neocons, é esquerdismo e comunismo. Afinal, foi um deles, Ken Lay, o maior financiador da carreira política de George W. Bush – até ir para a cadeia por causa do conjunto de fraudes da Enron. Tudo aquilo fora possível graças à era Reagan-Bush (1981-1992) e aos dois mandatos de Bush II (2001-2008). Exatamente o legado que cabe a Obama desfazer no shredder.

Receita para repudiar a marcha-a-ré

Usando o 11/9 como pretexto, o governo Bush II oficializou em setembro de 2002 como Estratégia de Segurança Nacional (NSS) um texto (conheça AQUI a nova versão, de 2006) baseado em documentos que o PNAC discutia desde o governo de Bush I (1988-92), inicialmente uma Orientação de Política de Defesa (DPG, Defense Planning Guidance), que ao ser revelada publicamente horrorizou todo o Establishment de política externa do país e os principais aliados dos EUA na Europa.

Quando surgiram, o DPG, o PNAC e um documento posterior dos neocons, conhecido pelas iniciais RAD (de Rebuilding America’s Defense: Strategy, Forces and Resources for a New Century) não tinha acontecido a ação terrorista de 11/9 (World Trade Center, etc) e não se prestava qualquer atenção a Osama Bin Laden ou ao terrorismo. Mas os neocons agarram-se ao terrorismo como pretexto – e o governo Bush II abraçou a insanidade e lançou a histeria patrioteira para justificá-la, incluindo a invasão do Iraque.

Agora, a causa deles é não deixar Obama “ir para a esquerda”: os mesmo neocons que no passado venderam a Clinton o regime change tentarão empurrar o futuro governo para o rumo que desejam – ainda que Bush tenha manchado para sempre a imagem dos EUA no mundo com suas aventuras bélicas e produzido a tragédia da desintegração financeira, justificando o repúdio atual de mais de 70% dos americanos e a mudança consagrada nas urnas.

A diferença entre Clinton e Obama é a extensão da vitória eleitoral de 2008. Pois além de esmagadora na votação popular e no Colégio Eleitoral (349 a 163, faltando ainda dois estados), ela ainda ampliou a vantagem no Senado (pelo menos 56 das 100 cadeiras) e na Câmara (pelo menos 252 contra 173). Esses números equivalem em princípio a uma garantia contra rendição ou intimidação.

wpostlatimes2

 

nytimes1

Published in: on novembro 5, 2008 at 1:46 pm  Comments (2)  

The URI to TrackBack this entry is: https://argemiroferreira.wordpress.com/2008/11/05/da-vitoria-historica-ao-desafio-da-mudanca/trackback/

RSS feed for comments on this post.

2 ComentáriosDeixe um comentário

  1. Seu comentário sobre a vitória de Obama é bastante consciente e memorável.
    Em meu blog fiz uma lista dos melhores artigos publicados na internet brasileira sobre a vitória dele e o seu está entre os melhores.
    Visite: http://www.agenciafb.blogspot.com

  2. grande argemiro ferreira,

    imagino suas brilhantes análises de política internacional espremidas entre o saudosismo lacerdista de hélio fernandes e a ensandecida campanha anti presidente lula & pt do sebastião nery.

    uma sinuca de bico que o experiente jornalista tira de letra, pois não deixo de ler diariamente sua coluna com prazer.

    abçs


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: