McCain, o fim da farra e o legado de Reagan

O aparente desespero do presidente Bush ao se dirigir ontem ao país devia servir ao menos para refrescar a memória dos EUA para a fúria dos governos republicanos, desde Ronald Reagan (1981 a 1989), contra as regulamentações. Mas não convém alimentar ilusões, já que John McCain (na foto com Reagan em 1987) é o candidato do partido e só neste ano de 2008 já repetiu 18 vezes sua frase predileta: “Os fundamentos de nossa economia são sólidos”.

Quem tomou a iniciativa de lembrar o papel de Reagan foi a colunista Arianna Huffington. Disse ela: “Já no discurso de posse ele fez a declaração célebre de que ‘o governo não é a solução do nosso problema; o governo é o problema’. Vinte e sete anos depois, no meio da pior crise econômica desde a Grande Depressão, (…) aquele grito de guerra anti-governo devia estar sendo julgado. Mas, por incrível que pareça, não está”. (Leia AQUI o artigo no original)

Felizmente a ênfase e a eloquência da presidente da Câmara, Nancy Pelosi, deu o recado no dia 29: “A farra acabou. Acabou o tempo dos ‘paraquedas dourados’ e gordas compensações para executivos de Wall Street, da disparidade dos salários obcenos de CEOs, das instituições financeiras privatizando e ampliando ganhos, depois nacionalizando os riscos e mandando a conta para os contribuintes.”

O fracasso da política de Bush

A democrata Pelosi, da Califórnia, é a primeira mulher na história a ocupar a presidência da Câmara – segunda na linha de sucessão, em seguida ao vice-presidente. Ela teve o mérito de marcar posição e, no mesmo pronunciamento, declarar fracassada a política econômica de Bush. “Não é mais necessária qualquer outra prova”, afirmou.

Mas ontem alguns republicanos da Câmara, onde mais da metade da bancada do partido negou os votos ao pacote de Bush e contribuiu para a derrota de seu próprio governo, alegaram ter sido essa decisão uma reação ao discurso de Pelosi e sua ênfase na condenação da atual política. Pelo menos um dos republicanos que votaram “sim” rejeitou a alegação. “É uma desculpa idiota”, afirmou. (Clique na imagem abaixo para ver e ouvir Pelosi)

Pelosi, na verdade, conseguiu reunir mais votos para aprovar o pacote de Bush do que a liderança da bancada governista na Câmara. Naturalmente os adversários republicanos dela não esperavam que, além de dar o apoio solicitado pelo governo adversário em meio à crise, Pelosi ainda fizesse uma declaração e amor aos desmandos econômicos do bushismo durante os últimos sete anos e meio.

O guru da desregulamentação

Já o candidato John McCain orgulhava-se, até agora, de sua dedicação em toda a carreira política à causa da desregulamentação. Daí ter escolhido para seu guru em economia o ex-senador Phil Gramm, que era co-presidente da campanha até julho, quando teve de ser defenestrado por ter desmentido a ameaça de recessão (subestimada por ele como mera “recessão mental”) e ter dito “esta é uma nação de choramingões” (a nation of whiners).

Ainda apontado como o preferido de McCain para secretário do Tesouro, no caso de vitória republicana, Gramm é encarado agora como o gênio do mal que mais trabalhou para a economia do país ter chegado à atual situação desastrosa. Curiosamente, o papel de Gramm, citado com frequência nesta coluna, acaba de ser descoberto em Nova York pelo colunista Merval Pereira, de O Globo.

Mas ele misturou as bolas: referiu-se ao penduricalho enfiado na lei orçamentária (como “Commodity Futures Modernization Act”) por Gramm em 2000, dizendo ter sido já no governo Bush. Na verdade, a posse de Bush foi a 20 de janeiro de 2001 e Gramm botou seu “contrabando” de 262 páginas, como escrevi antes, alguns dias depois da decisão da Suprema Corte que “elegeu” o presidente.

A pretexto de “modernização”, o pacote revogou leis do governo Roosevelt baixadas para prevenir crises iguais à de 1929 – como a que proibia promiscuidade de bancos comerciais e de investimentos. A lambança de Gramm passou ainda a impedir agências reguladoras de fiscalizar novos instrumentos financeiros (instituições como fundos  hedge, derivativos) para garantir que seus ativos eram suficientes para cobrir perdas eventuais do que estavam garantindo.

Fidelidade ao santo padroeiro

O mercado para aqueles instrumentos financeiros sofisticados a que se referia o “pacote Gramm” é estimado em US$ 60 trilhões por ano, quase quatro vezes todo o mercado de ações dos EUA. Ele queria tudo desregulamentado. E não criou tal mundo de conto de fadas só para a Wall Street. Um dispositivo impedia ainda a regulamentação dos mercados de venda de energia, abrindo caminho às fraudes da Enron – onde sua mulher ganhava US$2 milhões por ano.

Concluir, como Merval, que McCain teve uma epifania, “está menos convicto da necessidade de aplicar na prática a teoria do livre mercado”, é só para quem acredita em Papai Noel. Já passou da idade e seu santo padroeiro é Reagan. Além disso, não podemos esquecer que sua carreira política quase terminou ao tentar influir junto aos reguladores, a favor do banqueiro corrupto e corruptor Charles Keating, da Lincoln Banking, no escândalo S&Ls.

Com o teatro da “suspensão da campanha”, McCain buscou criar factóide capaz de mudar o quadro eleitoral desfavorável. Ao tropeçar em Washington nos deputados republicanos em desespero para salvar as próprias cadeiras, percebeu que nada tinha a negociar – e se omitiu na reunião convocada por Bush. Como disse Paul Krugman, vai de um extremo a outro, sem rumo certo – e já admitiu não ter apetite por economia. Ainda deve achar que os fundamentos continuam sólidos.

(Clique abaixo para ver o vídeo do cineasta Robert Greenwald sobre McCain e o desastre econômico)
Published in: on setembro 30, 2008 at 9:29 pm  Comments (3)  

The URI to TrackBack this entry is: https://argemiroferreira.wordpress.com/2008/09/30/mccain-o-fim-da-farra-e-o-legado-de-reagan/trackback/

RSS feed for comments on this post.

3 ComentáriosDeixe um comentário

  1. O Merval é um dos piores analistas politicos que eu já li, assim como a Miriam Leitão é na economia. Não é pessoal. É exatemente a total ausencia de isenção e o fato de não conseguir criar uma firewall de proteção contra a ideologia. É preciso se ater ao fatos e somente aos fatos. É isso que o leitor quer e vai querer qdo compra um jornal. Por mais que digam que esse lance de isenção está fora de moda.

    Não por acaso, qdo a politica brasileira começou a ficar mais complexa (pós-Lula) ele não dá uma dentro.

    Abraços,

  2. Desculpe o leitor acima: não acho que o fato verdadeiro de Merval Pereira ser o pior analista político da imprensa brasileira se deva APENAS ao preconceito ideológico. Permita-me ser um pouco mais radical e direta: creio que também se deve a uma dificuldade, possivelmente inata, de pensar, de elaborar informações complexas. Ele tem aquele olhar meio parado, aquela obtusidade que também se vislumbra na expressão de McCain.

  3. ótimo texto meu caro Argemiro.
    saudações,
    Pablo


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: