Maioria nos EUA quer diálogo até com Cuba e Irã

Embora sejam poucas – ou insuficientemente divulgadas – as pesquisas nos EUA sobre política externa, quando elas são feitas costumam desmentir o propalado desinteresse dos americanos pela questão. Agora, por exemplo, foi surpreendente o resultado de pesquisa feita pelo Chicago Council on Global Affairs, que expôs um apoio significativo a substancial correção de curso.

Depois dos oito anos de belicismo e agressividade do governo Bush no mundo (veja o presidente na foto ao lado, fingindo que é piloto de guerra), nada menos de 88% dos democratas e 81% dos próprios republicanos estão convencidos de que chegou a hora de mudar. Os EUA, segundo respondeu segmento esmagador dos que se inclinam pelos dois partidos, deviam melhorar a postura e fazer mudanças na política externa, mesmo em relação a certos temas sensíveis.

A marcha-a-ré positiva foi defendida como “muito importante”, devendo incluir até conversas com líderes de governos hoje rotulados de “inamistosos”, como os de Cuba (70% apoiam tal retomada do diálogo), Coréia do Norte (68%), Irã (65%), Birmânia (63%) e Zimbabwe (61%). Ao mesmo tempo, foi expressiva a maioria (67%) contrária a um compromisso por tempo indeterminado no Iraque.

Melhorar a imagem no mundo

Segundo Marshall M. Bouton, presidente do Chicago Council (fundado em 1922 e chamado antes de Chicago Council on Foreign Relations), os americanos continuam comprometidos com um engajamento internacional do país e querem ainda “que os esforços internacionais sejam mais concentrados e seletivos”, com ênfase no “arsenal diplomático para a solução de conflitos”.

Na pesquisa, as pessoas foram solicitadas a qualificar o nível de importância de 14 metas relacionadas para a política externa. Para 83% a meta “melhorar a postura dos EUA no mundo” foi considerada “muito importante”. Foi a que recebeu mais apoio nesse primeiro nível, ficando até acima do ítem “proteger os empregos dos trabalhadores americanos”, que teve o respaldo de 80%.

Segundo o Chicago Council (leia AQUI, em documento PDF, a íntegra da pesquisa) os americanos estão preocupados com a perda de influência dos EUA no mundo nos últimos anos. Para 53% das pessoas ouvidas, houve queda na capacidade do país de alcançar suas metas de política externa. Apenas 10% disseram que essa capacidade aumentou. Os americanos, afinal, parecem conscientes do efeito negativo das políticas e das guerras de Bush.

A pesquisa foi feita antes de ser anunciada a repentina mudança do governo, que passou a admitir um cronograma para a retirada de tropas do Iraque. Mas já então a grande maioria dos entrevistados manifestou-se a favor de um cronograma de retirada em período não superior a dois anos: 24% defenderam uma retirada “imediata”; e 43% preferiram uma retirada no prazo máximo de dois anos.

Adesão a tratados internacionais

Somente 32% das pessoas ouvidas declararam-se a favor da permanência das tropas de combate “por tanto tempo quanto seja necessário para estabelecer um Iraque mais estável e seguro”. Sobre o Iraque, a divisão dos entrevistados em linhas partidárias ficou clara: 58% dos republicanos (e apenas 9% dos democratas) apoiaram uma permanência indefinida das tropas – aparentemente, na linha do candidato Joe McCain, que falou em ficar “até 100 anos, se necessário” (veja AQUI quadros oficiais das baixas de soldados americanos e civis iraquianos na guerra).

A maioria dos americanos ouvidos na pesquisa do Chicago Council considerou ainda que a guerra foi um erro lamentável. Para 59%, a ameaça do terrorismo não diminuiu em consequência da guerra. E nada menos de 76% concordaram em que o conflito “custou centenas de bilhões de dólares que poderiam ter sido usados em programas nos EUA, resolvendo graves problemas internos.

Apesar da grande procupação dos americanos com o envolvimento de suas forças no Iraque, a pesquisa mostrou também que maioria substancial apóia vigorosamente a participação em tratados e acordos internacionais aos quais o governo Bush deixou de aderir nos últimos anos. E 88% disseram que os EUA deviam assinar o tratado de proibição ampla dos testes nucleares.

A presença das bases militares

Mais dois tratados tiveram o apoio da grande maioria dos americanos: 76% declararam-se favoráveis a um novo tratado sobre as mudanças climáticas (os EUA estão fora do Protocolo de Kyoto) e 68% gostariam que o país aderisse ainda ao acordo de Roma, que criou o Tribunal Penal Internacional para julgar acusados de crimes de guerra, genocídio e crimes contra a humanidade (veja AQUI a lista dos 108 países que aderiram ao estatuto de Roma, boicotado pelo governo Bush).

Uma maioria de 56%, também bipartidária, é favorável a um acordo com Teerã sobre o programa nuclear iraniano, caso o governo daquele país concorde com inspeções da ONU e acesso permanente dos inspetores às instalações. Segundo os entrevistados, sob essa condição o Irã devia ser autorizado a continuar produzindo combustível nuclear para a geração de eletricidade.

Apesar de tanto apoio a mudanças na política externa, os entrevistados não dispensaram uma “presença robusta dos EUA no mundo”: 63% apoiam um papel ativo nos assuntos mundiais e a manutenção de poderio militar superior; e 57% consideraram ser essa uma meta “muito importante” na política externa. Também a manutenção de bases militares pelo mundo teve largo apoio.

Anúncios
Published in: on setembro 22, 2008 at 10:37 pm  Comments (1)  

The URI to TrackBack this entry is: https://argemiroferreira.wordpress.com/2008/09/22/maioria-nos-eua-quer-dialogo-ate-com-cuba-e-ira/trackback/

RSS feed for comments on this post.

One CommentDeixe um comentário

  1. Pela primeira fotografia, o jornalista imaginou que o presidente Bush pretendeu fingir que era um piloto de guerra.
    Data vênia, ainda que não seja um admirador de Bush, creio que a imaginação está equivocada.
    Em 01/05/2003, partindo de San Diego, na Califórnia, um jato S-3B Vicking da Marinha americana pousou no porta-aviões USS Abraham Lincoln, transportando Bush.
    Durante a viagem, Bush usou um traje militar, obrigatório para vôo em jatos, uma vez que poderia estar sujeito a esforços gravitacionais, ter de receber suprimento de oxigênio e ser obrigado a ejetar-se da aeronave.
    Tão logo chegou ao porta-aviões, Bush desceu da aeronave e cumprimentou o pessoal no convés, ainda vestindo o traje militar, que foi trocado por traje civil, quando discursou para a tripulação, sob um cartaz, ao fundo, onde estava escrito “Mission Accomplished”.
    Bush serviu na Guarda Nacional Aérea do Texas, como piloto de caça, em aeronaves F-102.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: