A receita Bush para balcanizar a Bolívia

Não vi foto mais simbólica da crise boliviana do que esta de Marlene Bergamo que ilustrou a primeira página da Folha de S.Paulo: combatentes da democracia armados de estilingues e pedras. Apesar dos equívocos de sua linha editorial nos últimos anos, esse jornal ainda é capaz de surpreender e fazer diferença – ao contrário do resto da grande mídia, organizações Globo, Veja, Estadão, etc. Um crítico gringo-brasileiro dessa mídia, Colin Brayton, chamou atenção em seu blog irreverente e bilingue (veja AQUI) para outro fato: há 15 meses a mesma Folha publicara um artigo profético sobre a crise boliviana (leia a íntegra AQUI).

Sob o título “A Balcanização da Bolívia”, era assinado por Luiz Alberto Moniz Bandeira, ex-jornalista que se tornou historiador e cientista político sem perder o vício de escrever para jornais. Desde que lançou o livro Presença dos Estados Unidos no Brasil (veja a reprodução da capa ao lado) no início da década de 1970, tem sido um dos melhores analistas das relações entre os EUA e a América Latina. E em julho do ano passado previu a missão oculta de Philip Goldberg: dividir a Bolívia.

Goldberg é o embaixador que o presidente boliviano Evo Morales expulsou do país devido à ingerência nos assuntos internos da Bolívia – e que ao ser chutado ameaçou “consequências graves” (leia AQUI). Como? Mais graves do que a destruição da democracia e a divisão do país, que ele próprio tentava promover, conspirando com os golpistas? A 15 de julho de 2007, Moniz Bandeira tinha ido direto ao ponto, ao alertar: “Esse diplomata tem experiência em conflitos étnicos e tendências separatistas, que irromperam no Leste europeu após a desintegração da Iugoslávia.”

Credenciais para a missão sinistra

Moniz lembrou que de 1994 a 1996, Goldberg (foto abaixo, à direita) trabalhara na questão da Bósnia, no Departamento de Estado; fora assistente especial do embaixador Richard Holbrooke, o artífice da desintegração da Iugoslávia; e servira como chefe da Missão dos EUA em Pristina, Kosovo (de 2004 a 2006). Ali orientou a separação dos Estados da Sérvia e Montenegro. Antes tinha sido ministro conselheiro na Embaixada dos EUA em Santiago do Chile (2001-04).

É bem conhecida a atração particular que a riqueza energética alheia exerce sobre a dupla petrolífera Bush-Cheney. E Moniz alertou então para os recursos naturais de Santa Cruz de la Sierra, “onde estão 2,8 trilhões de pés cúbicos de gás dos 26,7 trilhões de reservas provadas da Bolívia. Se somadas às prováveis, o volume sobe a 48,7 trilhões de pés cúbicos”.

A suspeita óbvia em La Paz, como também observara Moniz na época, era de que Golberg tinha sido escolhido a dedo para “conduzir o processo de separação de Santa Cruz de la Sierra, caso ela ocorra após a aprovação da nova Constituição e em meio à exacerbação das tensões étnicas, sociais e políticas, aguçadas pelo choque de interesses econômicos das distintas regiões da Bolívia”.

Ante o quadro atual naquele país, só resta dizer que Goldberg cumpriu a missão. A presença fortaleceu a rebelião separatista, ratificando o poder da ação quase sempre desagregadora da diplomacia americana quando a riqueza energética de um país está em jogo. Depois da II Guerra, isso ficou claro a partir do caso conspícuo do golpe da CIA no Irã em 1953, para derrubar Mohamed Mossadegh e instalar Reza Pahlevi no poder.

Dividir para tomar a riqueza

No Iraque a primeira aposta dos EUA após a saída das tropas iraquianas do Kuwait foi no separatismo, de novo através da CIA, que armou e financiou os rebeldes curdos, depois abandonados à própria sorte por George Bush pai. A idéia do separatismo não vingou na invasão de 2003 porque países árabes aliados dos EUA, como a Arábia Saudita, condicionaram o apoio a garantias de que a integridade territorial seria preservada.

Como a prioridade maior é para o controle dos recursos energéticos, o governo Bush não vê incoerência em ficar contra a separação da rebelde Ossétia do Sul, com população de maioria russa, que se declarou independente da Georgia. Nesse caso só consegue pensar no oleoduto que atravessa a Georgia, levando o petróleo do Azerbaijão, capaz de reduzir a dependência do Ocidente do produto do Oriente Médio (saiba mais AQUI sobre as razões de Bush-Cheney na Georgia).

Mas do lado de cá do mundo, na nossa América – em oposição à deles, ao norte – a pergunta é se os EUA não estão obstinados em retalhar nossos países. Na sua edição do outono de 1999, a importante revista Foreign Policy publicou um ensaio sob o título “Too Many Flags?” (Bandeiras demais?), assinado por um pesquisador do Centro David Rockefeller da Universidade de Harvard, Juan Enriquez-Cabot, reclamando exatamente isso (saiba mais AQUI sobre ele).

Na África, Ásia e África, argumentou Enriquez-Cabot, as nações se dividem em ritmo sem precedentes, mas o hemisfério ocidental tem ficado imune aos impulsos secessionistas. O ensaio alegou que as fronteiras das Américas não são tão estáveis como parecem. E que países pequenos como Luxemburgo, Cingapura e Suíça estão entre os que mais prosperaram depois da II Guerra Mundial (esqueceu os muitos pequenos e miseráveis).

O porrete sem a fala macia

Entre os exemplos dados por ele de divisões potenciais estavam nações indígenas – os maias teriam parte do México e Guatemala; os mapuches, do Chile. Não basta para justificar a paranóia de quem teme complôs contra a Amazônia? Ianomâmis independentes, com partes do Brasil e Venezuela, conforme parecem sonhar ONGs da Europa e EUA? Enriquez diz que em países em desenvolvimento os mais pobres dos pobres – maias, mapuches – se perguntam que benefícios reais têm com a atual identidade nacional (saiba mais AQUI sobre o livro da capa abaixo à direita, no qual ele recomenda até a subdivisão dos EUA – e AQUI o que ele disse ao programa Lou Dobbs da CNN sobre o livro).

Relacionando o artigo do acadêmico de Harvard a certos dados citados na época pelo Economist, de Londres, Andrés Oppenheimer, colunista do Miami Herald dedicado a questões hemisféricas, apaixonou-se pela idéia. E concluiu que o mapa latino-americano será diferente em 2050. “O mundo tinha 62 países em 1914. Em 1946 o total já era 74. Hoje já pulou para 193”, argumentou.

Enriquez vai mais longe. Vê países como corporações no império globalizante do neoliberalismo: “Hoje os governos que querem manter as fronteiras intactas têm de tratar os cidadãos como acionistas, que podem vender as ações, forçar mudanças na administração ou reduzir o tamanho do estado”. Quanto mais globalizado o mundo, menos traumática será para os nacionalistas a divisão de seus estados, diz. “A globalização reduz o mundo às suas partes componentes, mesmo quando junta essas partes”.

Para ele, os governos do hemisfério só sobreviverão com as atuais fronteiras se derem mais autonomia a grupos regionais sem insistir nas “velhas doutrinas autoritárias obcecadas por soberania”. Notaram o horror à soberania alheia? Ted Roosevelt, ao separar o Panamá da Colômbia e roubar o canal, usava porrete (big stick) e fala macia (speak softly). Bush, com a IV Frota no Atlântico Sul, dispensa a fala macia.

Anúncios
Published in: on setembro 14, 2008 at 9:09 pm  Comments (5)  

The URI to TrackBack this entry is: https://argemiroferreira.wordpress.com/2008/09/14/a-receita-bush-para-balcanizar-a-bolivia/trackback/

RSS feed for comments on this post.

5 ComentáriosDeixe um comentário

  1. Como sempre muito bom seu artigo. Tomei a liberdade de postá-lo no meu blog http://blogdeumsem-mdia.blogspot.com
    a palavra midia escrita sem o primeiro i ficando portanto mdia. Sds Carlos Dória

  2. Foi através do blog do Nassif que comheci este blog.
    Ótimo espaço para conhecermos as tramas de republicanos e democratas. Ótma aula de história.
    Meus parabéns.

  3. […] ainda: Comentário no blog de Argemiro Ferreira, enviado por Beto Almeida Comentário de blog americano (em […]

  4. […] guerra civil, os marines desembarcariam com o propósito de “salvar vidas americanas”. ________ O Comentário do Blog do Argemiro Ferreira Comentário do Blog […]


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: