O inominável e a sua direita raivosa

Inominável, obviamente, é George W. Bush (na foto, entre John e Cindy McCain, na Casa Branca). Ele viu seu nome e imagem desaparecerem na convenção, como acontecia com os desafetos de Stalin na Rússia, depois de ter falado terça-feira via satélite aos republicanos. Mitt Romney o mencionou uma vez; McCain referiu-se a ele sem dizer o nome; Rudy Giuliani e a vice Sarah Palin, nem isso. Pode até não dar certo no final, mas a campanha tenta expurgá-lo e afogar a chapa democrata no próprio sucesso – como refém de armadilha insólita.

Vítima do próprio entusiasmo do eleitorado, Barack Obama na trama republicana é pintado como “arrogante” e “elitista”, além de “celebridade” igual a Britney Spears (o cartaz republicano abaixo, à direita, o chama de snob e é usado de cabeça para baixo).  A base desse esforço tende a ser – de novo, como ocorre desde 1992 – a guerra cultural e religiosa alimentada pelo “conservadorismo social” do sul e meio-oeste. No confronto de 16 anos atrás, não funcionou: George Bush I subverteu o modelo. E seu adversário, governador sulista Bill Clinton, empurrava para a direita o Partido Democrata.

Atrelada à direita cristã, a campanha Bush-Quayle refugiou-se em factóides – como o ataque social-conservador ao eixo Nova York-Califórnia, acusado de envenenar o país com o lixo da TV, onde Murphy Brown, personagem do seriado do momento, decidiu ter filho sem casar. Manchete do tablóide Daily News de Nova York: “Quayle to Murphy: You, tramp” (Dan Quayle para Murphy: sua vagabunda”. Apesar de cair no ridículo nacional, o vice de Bush insistiu no sermão até o fim (leia AQUI o que disse a revista Time na época; e AQUI a análise do New York Times).

Grávida sim, vagabunda não

Agora é diferente. A própria filha da evangélica Palin declarou-se orgulhosa da filha, solteira e grávida como Murphy Brown, mesmo tendo garantido que o pai da criança vai casar com ela. Em 1992 o velho Bush esgrimia a imagem de herói da II Guerra e explorava o tema “caráter”. Seu discurso desqualificava Clinton, exposto por ele como dodge drafter, por ter buscado proteção para escapar da guerra do Vietnã.

Com o primeiro Bush, no entanto, o tiro no “caráter” acabou saindo pela culatra ao ficar confirmado o envolvimento dele, como vice de Ronald Reagan, no debate interno da Casa Branca sobre a troca de armas por reféns com o Irã, escândalo investigado pelo promotor independente Larry Walsh. Bush dizia não ter estado na reunião decisiva e os secretários de Estado e da Defesa garantiram o contrário: ele estava lá e, contra os dois, apoiara o plano ilegal desastrado.

Na eleição seguinte, 1996, o casal Clinton era o alvo de outra investigação, a de Whitewater. A oposição republicana tinha tomado, dois anos antes, o controle das duas casas do Congresso mas o candidato presidencial Bob Dole, também com biografia de herói da II Guerra, perdeu a eleição, em parte por causa dos excessos da direita religiosa e da Coalizão Cristã criada pelo reverendo Pat Robertson.

McCain: “sou criminoso de guerra”

Ressabiado com o papel conspícuo da Coalizão Cristã antes, Bush filho achou em 2000, a partir dos erros do pai e de Dole nas campanhas anteriores, que devia neutralizar os reverendos Robertson e Jerry Falwell. Isso acabou não acontecendo por causa da derrota nas primárias de New Hampshire para John McCain (na foto ele tem ao fundo a paisagem do Arizona). Karl Rove, assustado, pediu socorro aos fundamentalistas cristãos para nocautear McCain nas primárias seguintes, da Carolina do Sul.

A ironia naquele confronto (Bush II contra McCain) foi Rove inverter em 2000 a equação de 1992: tinha de eleger outro fugitivo da guerra, que buscara a proteção dos amigos do pai para não ter de lutar no Vietnã; e atacar o rival dele no partido, McCain, prisioneiro no Vietnã cinco anos e meio, acusado no submundo da campanha de ter assinado uma confissão sob interrogatório brutal (com tortura) do inimigo norte-vietnamita, que poderia até tê-lo condicionado como “candidato da Manchúria” (saiba mais AQUI sobre o episódio num artigo do comentarista e cartunista Ted Hall).

Quem sabe nos EUA hoje que McCain, sob tortura, assinou a tal “confissão”? A mídia sabe mas não diz. E mais: ele se declarou “criminoso de guerra” por ter bombardeado, como piloto da Marinha, aldeias e populações civis nas proximidades de Hanói. Três décadas depois (1997), sem tortura, repetiu a mesma coisa em entrevista ao “60 Minutes” da CBS: “Sou um criminoso de guerra. Bombardeei mulheres e crianças inocentes”. Declação corajosa, convenhamos.

McCain sabia ter sido errado o que fizera. Três meses antes da derrubada de seu avião, um disparo acidental ainda no porta-aviões matara 132 marinheiros. Abalado, ele foi entrevistado em Saigon por um repórter do New York Times e afirmou: “Agora que vi o que as bombas e o napalm fizeram às pessoas no porta-aviões, não estou certo de que concordo em lançar essas bombas no Vietnã do Norte”.

Entre a percepção e a realidade

Outra declaração corajosa: afinal, ele é neto e filho de almirantes, altos chefes militares da Marinha (o pai foi comandante de operações navais na área do Vietnã à mesma época em que o filho cumpria missões de bombardeio no norte). Nem por isso deixou de fazê-la. Ao ter o avião derrubado, foi socorrido por civis vietnamitas, que o salvaram de morrer afogado no rio (veja abaixo, à direita, a foto do salvamento).

Agora sua candidata a vice – Sarah Palin, a versão evangélica impossível de Murphy Brown – referiu-se à generosidade de McCain em viagem posterior (na década de 1990) ao Vietnã, por ter ele procurado os civis que ajudaram a resgatá-lo após a derrubada do avião e perdoado aqueles que o torturaram na prisão, disse ela. Mas mesmo tendo sido torturado, McCain sabe que deve a vida aqueles civis que bombardeou: eles o tiraram a duras penas de dentro do avião, no rio.

As contradições envolvendo fundamentalismo cristão, social conservadorismo, patriotismo e patriotadas, heroismo e falso moralismo, elitismo, arrogância, feminismo e outras questões sugerem mais algumas observações, que ficam para outro post. Até porque os temas continuarão nos próximos dois meses, com a promessa de mais manipulação e inversões surpreendentes no desdobramento da campanha.

Anúncios
Published in: on setembro 7, 2008 at 10:18 pm  Deixe um comentário  

The URI to TrackBack this entry is: https://argemiroferreira.wordpress.com/2008/09/07/o-inominavel-e-a-sua-direita-raivosa/trackback/

RSS feed for comments on this post.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: