A sátira que expõe a privatização da guerra

Você já conhece a história mas agora vai saber mais sobre ela. Os bilhões de dólares embolsados, graças à guerra do Iraque e ao governo Bush, por corporações como Blackwater (multinacional de mercenários), Halliburton (antes presidida pelo vice-presidente Dick Cheney) e Bechtel são o tema da sátira War, Inc, dirigida por Joshua Seftel e que John Cusack co-escreveu, co-produziu e estrelou juntamente com Ben Kingsley, Hilary Duff, Marisa Tomei e, no papel de certo vice-presidente dos EUA, Dan Aykroyd.

“Que altos assessores estão ligados a tais aproveitadores que faturam com a guerra?” – pergunta Cusack num comercial de televisão do filme, ligando as imagens de John McCain e George Bush. “Aposto que você não conseguirá distinguir um do outro”, diz o ator-produtor. Ele também divulga o filme em entrevistas à TV, inclusive à excelente Amy Goodman, do programa alternativo “Democracy Now!” (clique abaixo, no YouTube, para ouvir Cusack falar, de Londres, a Goodman, o co-âncora Juan Gonzalez e o jornalista Jeremy Scahill, autor de um livro sobre a Blackwater)

Alguns já definem o filme como “um ataque impiedoso, corrosivo e ousadamente engraçado à fúria da direita na obsessão de privatizar a guerra”. Embora críticos o tenham encarado com reservas no primeiro momento, a reação das pessoas está surpreendendo. E a surpresa tende a ampliar o interesse do público, como no caso do documentário Farenheit 9/11, de Michael Moore, também lançado num ano (2004) de eleições presidenciais (Leia AQUI entrevista de Cusack ao site AlterNet e o trailer do filme).

A força ultrajante do humor

A colunista política Arianna Huffington – criadora do site que tem seu nome, atualmente um dos mais atuantes na cobertura da campanha eleitoral – contou ter visto o filme antes de estar terminado. “Fiquei abalada pela maneira como ele conseguiu captar a insanidade que se desdobra no Iraque. War, Inc. faz quase o impossível. Expõe com humor a realidade selvagem da tragédia no Iraque”.

Segundo Huffington, “os realizadores do filme usaram com maestria minha arma criativa favorita: a sátira. É como um soco no estômago. Faz a gente rir, causa revolta e é sempre ultrajante”. Ela citou Naomi Klein, cujo artigo “Bagdá, Ano Zero”, serviu como ponto de partida do filme: “É uma daquelas raras sátiras que embutem um potencial de perigo”.

A sátira política que se propõe confrontar os poderosos com verdades terríveis, não só para produzir gargalhadas mas também para provocar mudanças, tornou-se rara no cinema atual, como observou Huffington. Isso porque poucos agora ousam tentar. Mas quando alguém o faz e é bem sucedido – como foi o caso de Stanley Kubrick, Paddy Chayefsky, Joseph Heller, Billy Wilder – o efeito é inesquecível.

Quem são os vilões da guerra

Para gênios como Mark Twain, também citado por Huffington, a exposição a uma boa sátira torna os cidadãos menos sujeitos a “se dobrarem como carneiros”. Assim, o humor é apenas uma maneira de chamar atenção para as contradições ou a hipocrisia que se impõe oficialmente. Essa a função do humor. Ele às vezes ainda é capaz de transformar a realidade.

A direita, desafiada pela sátira, está tentando condenar Cusack e os demais envolvidos do filme. Para tanto, recorre às mesmas táticas e acusações que se tornaram rotina desde o 11 de setembro de 2001: eles são repreendidos pela suposta falta de patriotismo e por “ofenderem” as tropas que lutam no Iraque. Seriam culpados ainda porque tentam fazer humor sem levar em conta o sofrimento dos soldados.

Mas Cusack responde que os alvos do filme não são os soldados americanos e sim aquelas grandes corporações, várias delas empenhadas em obter lucros escandalosos com o negócio do mercenarismo. Elas e seus executivos, como ainda os políticos de bandeirinha na lapela que as apóiam e ao mesmo tempo insistem em manter os soldados em situação de risco e negam-se a aprovar a lei sobre os direitos deles depois da volta à pátria”. 

New York Times contra a terceirização

Cusack contou ainda estar recebendo numerosas manifestações emocionadas de apoio, enviadas por soldados e suas famílias. Como a do sargento Brent Sammann, ainda ativo no Iraque: “Sou testemunha pessoal da exploração da KBR (subsidiária da Halliburton) e outras companhias que prestam serviços ao esforço de guerra – serviços que nossos soldados poderiam perfeitamente fazer e fariam melhor”.

O soldado ainda enviou sua própria foto na qual conclama: “Go see War, Inc” (Vá ver War, Inc). Acrescenta ele: “Essas corporações ampliam o lucro com superfaturamento. É a rotina aqui. Além disso, o serviço delas é ruim, como também o tratamento que nós, soldados, recebemos dos empregados delas, cuja remuneração é três vezes maior do que nossa. Estamos aqui para servir ao país. Não é esse o caso daquela gente com contratos militares bilionários”.

Em seu editorial da última quinta-feira o New York Times saudou o Congresso por finalmente estar tentando “proibir uma das fugas mais flagrantes do governo Bush à responsabilidade no Iraque – a terceirização, para mercenários de empresas privadas, dos interrogatórios de detidos” (leia AQUI a íntegra). Na tortura, disse ainda, os mercenários operam como bandidos corporativos. Não respeitam regras militares e nem a ética. Torturam e ficam impunes.

 

Anúncios
Published in: on junho 14, 2008 at 3:30 pm  Comments (2)  

The URI to TrackBack this entry is: https://argemiroferreira.wordpress.com/2008/06/14/a-satira-que-expoe-a-privatizacao-da-guerra/trackback/

RSS feed for comments on this post.

2 ComentáriosDeixe um comentário

  1. Terceirização de tortura, campos de concentração offshore, negligência hipócrita da suprema corte, esse horror todo é tão real que fico na dúvida se caberia sátira. A conferir.

  2. O que antes era privativo do Estado, acabou sendo privatizado. Ainda bem que essa moda não foi abraçada por nenhum tucano aqui no Brasil.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: