A cena patética da medalha de Tony Blair

blair_mof

A condecoração que Tony Blair recebeu a 13 de janeiro de George W. Bush (acima, a foto da Casa Branca), cujas guerras apoiou, é a “Medalha da Liberdade”. Eu tiraria as aspas para citar alguns que a ganharam por merecimento no passado: Doris Day, Lucille Ball, John Ford, James Cagney, Audrey Hepburn, se nos limitarmos a simpáticas celebridades do cinema. Mas junto com elas, há hoje gente desprezível de diferentes áreas (veja a lista AQUI – até Vernon Walters está lá).

Em janeiro Blair somou-se aos piores, ao lado de John Howard, ex-premier da Austrália, e Álvaro Uribe, presidente colombiano. O que Bush premiou, assim,  foi a submissão deles aos EUA. Blair e Howard – como o espanhol José Maria Aznar, estranhamente esquecido por Bush – apoiaram a invasão do Iraque.uribe_alvaro Quanto a Uribe (foto ao lado), mantém tropas americanas na Colômbia e sonha torná-la “a Israel da América do Sul”.

Blair era caso à parte por ter colocado acima de tudo as “relações especiais” entre Washington e Londres, consideradas pelo jornal conservador britânico Daily Telegraph “apenas um mito”. Em 2006, o correspondente desse jornal nos EUA, Toby Harnden, citou a avaliação feita por Kendall Myers (leia AQUI e saiba mais AQUI), um alto conselheiro do Departamento de Estado, sobre o papel britânico na guerra do Iraque.

O exemplo dos conservadores

No Brasil, a mídia golpista sonha com a submissão aos EUA – no caso do debate da ALCA ou em qualquer situação. E o que conseguiu Blair com o apoio à aventura bélica de Bush? Para Myers, que servia no Bureau de Análises e Pesquisas do Departamento de Estado, “absolutamente nada”. Isso foi o que expôs em palestra feita em 2006 na Escola de Estudos Internacionais Avançados, da Universidade John Hopkins, em Washington.

O tema da conferência era “Quão especiais são as relações EUA-Grã Bretanha?” O analista explicou que os trabalhistas já deviam há muito ter defenestrado Blair da liderança partidária, mas não tiveram “coragem e audácia”. Blair sairia meses depois. Estava com a imagem no fundo do poço e o teatrólogo Harold Pinter, ao receber o prêmio Nobel, pedira seu julgamento por crimes de guerra (leia AQUI e saiba mais AQUI sobre a acusação). É um debate provocativo por causa das posições dos conservadores europeus sobre o relacionamento de seus países com o Império Americano.

A oposição conservadora britânica, mesmo evitando envolver-se, manteve certa distância da desastrosa política de Blair. E nas Nações Unidas a França de Jacques Chirac, então presidente, foi decisiva para o repúdio no Conselho de Segurança do belicismo de Bush. Mas no Brasil, uma ousadia assim assusta a mídia corporativa e os principais aliados dela, tucanos e demo-pefelês.

bustani_josemauricioEx-ministros de FHC, Luiz Felipe Lampréia e Celso Lafer parecem, ao contrário, adeptos da submissão a qualquer custo (inclusive tirar os sapatos no aeroporto, ao invés de atirá-los em certo presidente). A ponto de ter o Itamaraty, sob pressão de Washington, tentado forçar José Maurício Bustani (foto ao lado), como embaixador licenciado do Itamaraty, a deixar a direção da OPAQ, a organização da ONU dedicada a fiscalizar a proibição de armas químicas, da qual era diretor em segundo mandato, eleito pela unanimidade dos países-membros (saiba mais AQUI sobre o caso). 

Tudo de graça, nada em troca

A direita brasileira tem sempre, decorada, a desculpa de que o melhor é nunca aproximar-se de países às turras com os EUA – Venezuela, Cuba, Bolívia, etc. O pretexto é de que eles nada têm a nos oferecer e, ao mesmo tempo, podem prejudicar nossas boas relações econômicas com o mercado americano. Parece uma gente nostálgica da velha receita do alinhamento automático no tempo da guerra fria.

rumsfeldConservadores britânicos e europeus em geral costumam ser mais realistas, apesar da “Nova Europa” – a dos ex-satélites da Rússia, que encantavam Donald Rumsfeld (foto). Coube a este criar a expressão, quando ainda era o chefão do Pentágono, num eforço para diminuir França e Alemanha, que ousavam resistir na ONU à guerra de Bush. Mas Rumsfeld foi dos primeiros a cair do cavalo – por causa da guerra.

Um mínimo de dignidade na política externa, ao contrário do que o governo FHC pensava, é como canja de galinha – se não fizer bem, mal não faz. Para o Telegraph, o líder conservador David Cameron foi astuto e engenhoso ao se distanciar do governo Bush, ainda que a expressão “relações especiais” tenha sido cunhada (há mais de 60 anos, claro) por um conservador ilustre, Sir Winston Churchill.

Na sua análise franca, o americano Kendall Myers observou ainda que desde o começo aquelas “relações” foram benéficas apenas aos EUA. E qual seria a lição maior da guerra de Bush para o relacionamento futuro? Os chefes de governo em Londres na certa tentarão ser menos próximos dos EUA do que Blair (antes da invasão, aliás, Rumsfeld esnobou Blair, dizendo que poderia fazer a guerra sem a Grã Bretanha).

Como Wilson enganou os EUA

Myers confessou que se sentia “um pouco envergonhado e triste por termos tratado Blair daquela forma. Ele nada obteve em troca – nenhum tipo de compensação. Não houve reciprocidade naquela relação”.wilson_harold Durante a guerra do Vietnã, acrescentou, o trabalhista Harold Wilson (foto ao lado) soube como fazer, “foi mais inteligente do que Blair, procurando nos enganar”.

Segundo Myers, a esperteza de Wilson (que o caçador de espiões James Angleton, da CIA, suspeitava ser agente russo) consistiu em “soar bem, mas não fazer rigorosamente nada” – o oposto de Blair, que se deixou envolver e acabou atolado na aventura como um poodle de Bush. Mesmo mais articulado do que Bush, Blair cometeu erro catastrófico ao ignorar a experiência britânica na Mesopotâmia. “Sua formação é de ator, não de historiador. Se tivesse lido algum livro sobre a década de 1920, teria ao menos hesitado”.

medal_of_freedomO Iraque tornou-se estado-nação em 1920, depois de extraído do império otomano por franceses e ingleses, e de virar uma sangrenta “lambança mesopotâmica” -  definição que Myers atribui a Churchill. No Oriente Médio os EUA, “além de não terem feito o que queriamos no Iraque, ainda prejudicaram grandemente nossas relações com outros”. O Iraque virou tema dominante entre as questões bilaterais e Blair foi incapaz de conseguir qualquer coisa de Bush em troca. A não ser, claro, aquela medalha (a da foto acima). 

Published in: on fevereiro 3, 2009 at 5:25 pm  Comments (1)  
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 38 outros seguidores